Agora

Pe. Marcelo Rossi

09:00 - 10:00

Notícia

Brasil é principal potência militar na AL; Venezuela está em 6ª posição

Brasil é principal potência militar na AL
Brasil é principal potência militar na AL; Venezuela está em 6ª posição

O Brasil lidera o ranking de países da América Latina com o melhor preparo militar, segundo estudo recente que levou em consideração mais de 50 fatores para avaliar as principais potências da região. Com índice de 0,3198, o País está à frente do México (0,6289), na segunda posição, e Argentina (0,7056), terceiro lugar. A Venezuela aparece na sexta colocação (0,7876), atrás ainda do Peru e da Colômbia, respectivamente na quarta e quinta posição no ranking.

O levantamento que aponta o índice de forças de países latinos foi desenvolvido pelo site Global Firepower e, entre os itens avaliados, contou com informações como o tamanho das tropas, a quantidade e o tipo de armas, o desempenho em conflitos anteriores - entram na análise a performance militar nas 1ª e 2ª Guerras -, alianças, assim como a análise de fatores geográficos e logísticos.

Em comparação com os outros países, o Brasil se destaca pelo investimento militar. Em 2017, foram US$ 29,28 bilhões investidos, contra apenas US$ 0,46 bilhão da Venezuela. Na comparação entre o número de militares, o Brasil aparece com 1 98 milhão de soldados, enquanto a Venezuela possui uma média de 123 mil. Uma das justificativas para o mau desempenho dos vizinhos venezuelanos está na queda de investimentos devido ao baixo desempenho do PIB.

Fonte(s): Jcnet

Comentários

Últimas notícias

18 Abr
Nacional
Após 75 anos separadas, irmãs de MG se reencontram

Maria, de 99 anos, e Marciana, de 100 anos, não tinham notícias uma da outra desde que a irmã mais velha mudou-se para o estado de Goiás.

18 Abr
Nacional
Catarinense dado como desaparecido na tragédia de Brumadinho entra em contato com família

Jovem de 23 anos afirma ter saído de Minas Gerais uma hora antes do rompimento da barragem. Ele conta estar em Salvador.

18 Abr
Nacional
UE e Canadá prometem contestar novas sanções dos EUA contra Cuba

"Um impacto importante em operadores legítimos da UE e do Canadá em Cuba"